Alunos e professores se apresentam no Sarau da Comunicação

Música e literatura conduziram o Sarau da Comunicação na última sexta-feira, dia 28. O evento promoveu uma confraternização no encerramento da Semana Acadêmica dos cursos de Comunicação do Centro Universitário da Serra Gaúcha (FSG). Atrações artísticas como música, declamação de poesia e leitura encenada de crônicas foram apresentadas por estudantes e professores da instituição.

“Momentos como esse, de integração, de divertimento, são tão importantes quanto as outras atividades mais tradicionais como palestras. Arte também é comunicação. Além disso, temos a oportunidade de conhecer e prestigiar o trabalho dos nossos colegas”, comenta o coordenador do Centro de Comunicação, professor Felipe Gue Martini.

Parceiros: Hot Music e Refreskata

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Palestras focam papel do profissional na área de comunicação

Quatro temas específicos foram discutidos no segundo dia da Semana Acadêmica da Comunicação no Centro Universitário da Serra Gaúcha (FSG). Esta quinta-feira, 27, contou com a participação de profissionais atuantes nas áreas de Fotografia, Jornalismo, Publicidade e Propaganda e Relações Públicas. Os palestrantes abordaram questões decorrentes do mercado de trabalho atual e apresentaram experiências pessoais para exemplificar e instigar o público.

Frente ao contexto político, social e cultural do Brasil, Flávio Ilha abordou o tema Grande Mídia X Mídia Independente para discutir a atuação e papel do jornalista. “Com a ascensão da Internet e das redes sociais, o jornalismo independente está voltando como uma alternativa de trabalho. Essas novas ferramentas mudaram a forma de apresentar e transmitir a informação”. As plataformas disponíveis online tornaram-se aliadas na publicação de pautas não abordadas pela mídia tradicional, explica o jornalista.

Já os alunos de Relações Públicas, receberam Carla Perussato. A RP apontou questões das quais os profissionais dessa área precisam se atentar nas empresas em que prestam serviços, como cultura, diagnóstico e planejamento, marca, pessoas, stakeholders e resultados. “É preciso olhar o passado para projetar o futuro”, afirma.

Ter conhecimento da empresa e do mercado também foi apontado por André Lima, na palestra “Como surgem as boas ideias”. A solução de problemas precisa de criatividade e, para o publicitário, hábitos diários e a busca constante de referências podem contribuir na hora do processo criativo.

Na palestra de fotografia, Gisa Fedrizzi apresentou questões técnicas de câmera, tipos de eventos e, ainda, formas de lidar com diferentes clientes por meio de exemplos vivenciados. Gisa mostrou aos estudantes os caminhos possíveis para a profissão e como podem se diferenciar no mercado.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Marcas precisam dialogar mais com o público, diz PC Dias

“As marcas precisam de mais vida, pois hoje respiram com a ajuda de aparelhos”. Assim começou a palestra de PC Dias, gerente regional de marketing da Claro, nesta quarta-feira, dia 26. A palestra abriu a Semana Acadêmica da Comunicação no Centro Universitário da Serra Gaúcha (FSG). Para o ministrante, é oferecendo mensagens relevantes que as marcas conseguem fidelidade em um mundo constantemente bombardeado por estímulos.

A construção de marca é basicamente uma disputa pela atenção das pessoas e a televisão foi fundamental para isso, pois famílias inteiras se reuniam para assistir aos programas. Mas essa mídia vem tendo uma queda de horas assistidas e de confiabilidade.

“Durante muito tempo, as marcas foram utilizadas para auxiliar na construção da identidade das pessoas”, comenta o publicitário. Atualmente, essa construção se dá por meio das redes sociais, uma vez que o aumento do acesso à Internet provocou uma mudança drástica em que o consumidor tornou-se também produtor de conteúdo.

Os estímulos das marcas antes canalizados na televisão agora são mais intensos com os novos recursos. Essa tentativa de ter mais visibilidade se transformou em distração, afirma PC Dias, pois a capacidade de absorção desses estímulos segue sendo a mesma da era da TV.

Para chamar a atenção, as marcas precisam dialogar com o público de forma relevante para que se tenha identificação e fidelidade. Conhecendo sobre marcas, pessoas e ambiente têm-se uma boa comunicação de Live Marketing e a marca consegue se destacar, independentemente da mídia escolhida. Isso gera o efeito “Você não vai acreditar”, que torna o próprio cliente em um veículo de transmissão da marca. “Por isso, o que precisamos hoje é manter as marcas cada vez mais vivas no coração das pessoas. Quando mais identificação gerar, terá mais chance de fazer parte do discurso. Quanto mais eu gosto, mais falo sobre.”

Este slideshow necessita de JavaScript.